Amanhã destacamos
Bancos Centrais

Amanhã destacamos Bancos Centrais

É uma súper quinta-feira com muitos bancos centrais a decidirem sobre as respectivas políticas monetárias.

Começa logo esta noite com o Banco do Japão, que deverá uma vez mais manter os actuais níveis de taxa de juro, assim como reiterar a sua política expansionista. Os mercados irão estar especialmente atentos a qualquer indicação que permita avaliar a possibilidade de uma intervenção cambial para fazer abrandar as quedas do iene.

Pelas 08h00 teremos a decisão por parte do Banco Nacional da Suíça, com os mercados financeiros a prever que a sua taxa de referência, tal como a do euro, abandone terreno negativo, com um aumento de 75 pontos base, de -0,25% para 0,50%.

Uma hora depois é a vez do Norges Bank na Noruega que deverá aumentar a sua taxa directora de 1,75% para 2,25%. Isto se não optar por surpreender os mercados tal como o fez o Riksbank na Suécia.

Pelo meio-dia é a vez do Banco de Inglaterra, talvez a reunião mais aguardada do dia, com a opinião dos mercados dividida entre um aumento de 50 pontos base ou de 75 pontos. O abrandamento da inflação e dados económicos menos bons podem apontar para um aumento de 1,75% para 2,25%, mas a fragilidade que a libra mostra poderá levar a uma subida de taxas mais agressiva. Interessante vai ser observar se a decisão foi mais repartida ou, pelo contrário, estará a maioria no mesmo barco.

Também ao mesmo tempo do Banco de Inglaterra iremos ter a decisão por parte do Banco Central da Turquia onde se espera que mantenha o actual nível de taxa de juro (13%), mas a hipótese de novo corte não será completamente de excluir.

Por fim, pelas 14h00, teremos a decisão do South African Reserve Bank, onde também aqui os mercados esperam ver um aumento de 75 pontos base (o novo normal!?) com a taxa básica a passar de 5,5% para 6,25%.

De dados económicos teremos esta noite na Nova Zelândia o indicador da Confiança do Consumidor Westpac e os números da Balança Comercial.

À tarde, nos Estados Unidos teremos os habituais números semanais de novos pedidos de subsídio de desemprego e ainda os da Conta Corrente.

Na Zona Euro iremos ter o indicador da Confiança do Consumidor.


O que pensa sobre este tema?