Amanhã destacamos
Inflação

Amanhã destacamos Inflação

Com os mercados em modo “feriado” em festejos de Páscoa, os olhos nos Estados Unidos vão estar colocados nos dados da medida preferida do Fed para a inflação, assim como para a inflação em França e Itália, que precedem os dados na Zona Euro.

A publicação da rubrica “Amanhã destacamos” será interrompida neste período de Páscoa e voltará na próxima segunda-feira, dia 1 de Abril.

A equipa da 4xSIMPLE deseja a todos os nossos leitores uma Santa e doce Páscoa!



Nesta quinta-feira os mercados irão começar por estar atentos aos dados das vendas a retalho na Austrália, com as previsões a apontarem para uma desaceleração do crescimento de 1,1% de Janeiro, para 0,4% em Fevereiro.

Logo no início da manhã teremos mais dados de vendas a retalho, desta vez na Alemanha onde as estimativas apontam para uma recuperação de 0,4%, depois da queda do mesmo valor no mês anterior.
No Reino Unido iremos ter os dados da conta corrente do último trimestre de 2024, que deverá mostrar um aumento do défice de 17,2 mil milhões de libras, para 21 mil milhões, e a leitura final do PIB do 4º trimestre de 2023 que deverá confirmar a contracção de 0,3%.
Na Suíça iremos ter o barómetro económico KOF, onde as estimativas apontam para uma melhoria de 101,6 para 102,3.
Na Zona Euro teremos dados dos empréstimos no sector privado a consumidores e empresas que deverão mostrar uma aceleração de 0,3% para 0,4%.

À tarde, no Canadá iremos ter o PIB mensal de Janeiro que, segundo as previsões, deverá mostrar um crescimento de 0,4%.
Nos Estados Unidos, teremos a leitura final do PIB que deverá confirmar o crescimento de 3,2% no último trimestre de 2023; Os números semanais dos novos pedidos de subsídio de desemprego deverão mostrar um ligeiro aumento; Uma pequena melhoria deverá também ser observada no Chicago PMI (de 44,0 para 45,9); Por fim teremos a revisão dos dados da Universidade de Michigan onde não é esperada uma alteração aos dados preliminares.

Na Sexta-Feira Santa, com a grande maioria dos mercados encerrados, teremos dados relevantes a serem divulgados.

No Japão teremos os dados da inflação de Tóquio (precursores dos dados nacionais), onde as estimativas apontam para um ligeiro abrandamento da inflação subjacente de 2,5% para 2,4%; A taxa de desemprego deverá manter-se nos 2,4%; A produção industrial em Fevereiro deverá mostrar uma recuperação de 1,3%, após a queda de 6,7% (revista em baixa) em Janeiro; As vendas a retalho, segundo as estimativas deverão aumentar 2,8%, acelerando dos 2,1% do mês anterior; O início de construção de casas deverá mostrar uma queda de 5,4%, ainda assim melhorando da queda de 7,5% no mês anterior.

Pela manhã França e Itália irão divulgar os dados da inflação de Março, onde as estimativas apontam para uma queda de 3% para 2,7% em França e em Itália um aumento de 0,8% para 1,4%.

O destaque do dia e da semana estará nos Estados Unidos com a divulgação da medida preferida do Fed para a inflação, o Core PCE Price Index. Em Janeiro este indicador mostrou um aumento mensal de 0,4%, o dobro dos 0,2% que são necessários para levar de forma consistente a inflação para a meta dos 2%. Depois dos dados já conhecidos do IPC e do IPP, as estimativas apontam para um aumento de 0,3%, o que sem ser ideal, já é um progresso.
Temos também os dados relativos aos gastos e aos rendimentos pessoais, onde as previsões apontam para um aumento dos primeiros e uma redução dos segundos.

Ainda de destacar a presença de Jerome Powell na Macroeconomics and Monetary Policy Conference, em San Francisco.

A próxima semana abre logo com os dados dos PMIs oficiais e da Caixin na China. As estimativas apontam para que os índices oficiais mostrem o sector industrial a voltar para terreno de expansão, subindo de 49,1 para 50,1, com a actividade de serviços a registar uma desaceleração, recuando de 51,4 para 52,0. O índice privado da Caixin para o sector manufactureiro, segundo as estimativas deverá manter-se estável nos 50,9.
No Japão teremos os dados do índice Tankan de grandes empresas relativos ao primeiro trimestre deste ano, com as previsões a apontarem para um recuo do índice das grandes empresas industriais de 12 para 10.

O destaque do primeiro dia da semana vai de novo para os Estados Unidos, com a divulgação do índice manufactureiro do ISM, onde as estimativas apontam para uma ligeira recuperação de 47,8 para 48,00, com os mercados também especialmente atentos aos subíndices dos preços pagos, das novas encomendas e do emprego. No Canadá iremos ter o PMI manufactureiro, onde as estimativas apontam para uma subida do índice de 49,7 para 50,3.

Desejos de uma feliz Páscoa para todos os nossos leitores!


O que pensa sobre este tema?