EUR/USD
Semanal

EUR/USD Semanal

O anúncio de eleições antecipadas em França, levou a uma interrupção na tendência ascendente do EUR/USD que se vinha a verificar então. O resultado da primeira volta dessas eleições trouxe-o de volta.

No dia seguinte ao das eleições europeias, que levou Emmanuel Macron a anunciar eleições antecipadas em França, o EUR/USD interrompeu uma tendência em alta que vinha desde quando atingiu o mínimo do ano em meados de Abril, começando a semana num gap em queda, levando a um mínimo do mês de Junho a 1,0666. Na semana que terminou, o EUR/USD começou de novo com um gap, desta vez em alta, com o preço a recuperar das perdas das últimas quatro semanas.

Será que foi o resultado da primeira volta das eleições francesas que impulsionou os ganhos do EUR/USD? Ou terão sido antes um conjunto de factores que levaram à pressão sobre o dólar, e à consequente subida do par? Eu inclino-me mais para acreditar na segunda justificação.

Os dados do ISM divulgados durante a semana pintaram um cenário bastante cinzento para a actividade económica norte-americana tanto do sector industrial como do manufactureiro. O primeiro ficou ainda mais em contracção (48,7 para 48,5) com o subíndice do emprego a cair de 51,1 para 49,3 e os preços de 57,0 para 52,1. O segundo caiu de 53,8 para 48,8, com o subíndice do emprego a cair de 47,1 para 46,1 e os preços de 58,1 para 56,3.
Com a actividade económica a contrair, mostrando simultaneamente um recuo no emprego, enquanto os preços retraem, levaram de imediato os mercados a aumentar a expectativa de corte de taxas de juro por parte da Reserva Federal.
Em Sintra, as palavras de Jerome Powell deram mais combustível a estas expectativas. Powell mostrou-se mais optimistas relativamente ao caminho que a inflação está a mostra, na direcção da meta do banco central, embora continuando a reiterar que precisa de ver mais dados como os últimos para dar início a um ciclo de cortes de taxas de juro.
No final da semana, os dados do mercado de trabalho mostraram um cenário misto. Os nonfarm payrolls mostraram um número acima do esperado de novos postos de trabalho (206 mil), mas o número do mês passado foi revisto em baixo de 272 mil para 218 mil. O crescimento salarial saiu em linha com o esperado (0,3%), enquanto a taxa de desemprego subiu inesperadamente para 4,1%.

As yields obrigacionistas recuaram, com as expectativas de cortes de taxas de juro nos Estados Unidos a aumentarem, pressionando o dólar com o índice DXY a cair cerca de 1% esta semana, impulsionando o EUR/USD para ganhos.

Em minha opinião, foram mais os factores em torno dos Estados Unidos que levaram o EUR/USD a ganhos do que o resultado da primeira volta das eleições francesas.
A instabilidade que se continua a viver em torno dessas eleições poderá estar ainda a pressionar a moeda única, retraindo maiores ganhos do EUR/USD.

Esta semana os mercados começam por ter de digerir os resultados da segunda volta das eleições em França. As sondagens apontam para que o União Nacional não consiga a maioria absoluta que lhe permitiria a implementação dos seus projectos lei e agenda governativa. Um caos governativo em França poderá levar a mais pressões sobre o euro e consequentemente retraindo ganhos do EUR/USD.
Na frente norte-americana iremos ter mais dados da inflação. Uma confirmação do caminho desejado pelo Fed poderá levar a mais ganhos do EUR/USD com as expectativas de cortes de taxas de juro a aumentar.

Creio que poderemos ver a continuação da tendência ascendente do EUR/USD da semana que terminou, em ganhos relativamente contidos pela pressão sobre o euro devido aos acontecimentos em França que poderão demorar mais algum tempo a ser ultrapassados pelo mercado. O máximo de Junho, em torno de 1,0900, poderá eventualmente ser a próxima paragem do preço, caso não haja alguma surpresa, nomeadamente por parte da inflação.



Tecnicamente

Gráfico EUR/USD semanal

Fonte XTB xStation 5


O EUR/USD terminou a semana passada acima da média móvel das 21 semanas e da linha de tendência descendente, depois de mais uma abertura semanal em gap, desta vez em alta.
Uma vela semanal bastante bullish que terminou em máximos a 1,0841.

O RSI e o MACD dão sinais mistos, com o primeiro a mostrar um momentum positivo no gráfico semanal, cruzando de forma ascendente a linha de 50, enquanto o segundo ainda continua a mostrar um momentum negativo para o par.

O EUR/USD precisa de terminar a próxima semana acima da linha de tendência descendente de mais longo prazo, para confirmar o break dessa mesma linha.
Esse break e o quebrar da área de resistência que vai desde Senkou A a 1,0862, até ao máximo de Junho a 1,0916, colocará o cenário bearish do par em causa, com a próxima referência (e resistência) a ser encontrada apenas a 1,0981, máximo de Março último.

Uma rejeição do forte movimento que o EUR/USD registou na semana passada, irá encontrar um primeiro suporte na média móvel das 21 semanas, de momento a 1,0787. O quebrar deste suporte poderá abrir caminho para um teste ao mínimo da semana anterior a 1,0710, antes do suporte dado pelo mínimo de Junho a 1,0666.

Gráfico EUR/USD diário

Fonte XTB xStation 5

Pode acompanhar diariamente os comentários/análises ao EUR/USD no nosso canal YouTube clicando aqui .
O comentário é disponibilizado todas as manhãs, tentativamente entre as 10h00 e as 10h30.

O EUR/USD, na semana passada, inverteu a tendência descendente onde vinha a negociar, abrindo a semana em gap ascendente, começando a semana a negociar acima da média móvel dos 21 dias, depois de ter terminado o último dia da semana anterior, abaixo da mesma.
O preço seguiu a negociar em alta, ultrapassando a MM 55 dias, a MM 200 dias e terminando acima da Nuvem de Ichimoku diária.

O RSI mostra um momentum positivo para o par que segue agora acima da linha de 50 (de momento a 63) e o MACD abaixo de zero, mas com a linha do MACD bem acima da linha de Sinal.

O EUR/USD precisa de confirmar o break da Nuvem de Ichimoku diária, assim como da Média Móvel dos 200 dias, começando e terminando acima dessas referências, tendo como próxima referência a de 1,0916, dada pelo máximo do mês de Junho.

Uma inversão da tendência ascendente verificada na semana passada irá ter como primeiro suporte a média móvel dos 200 dias (de momento a 1,0826) e posteriormente a dada pela média móvel dos 55 dias que se encontra de momento a negociar a 1,0789, bem dentro da Nuvem de Ichimoku diária.
Só o voltar do preço abaixo da Nuvem de Ichimoku (1,0758) e da média móvel dos 21 dias (1,0736 de momento) poderá sinalizar que o EUR/USD voltou para a tendência descendente onde vinha a negociar ultimamente.


Resistências - Suportes

1,0862 - 1,0826

1,0916 - 1,0787

1,0981 - 1,0736



O que pensa sobre este tema?